Top 25


PARCEIROS DRAGSATDIGITAL




Autor Tópico: França bate Croácia e é campeã do Mundo  (Lida 130 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline f423

  • Moderador
  • *****
  • Mensagens: 8952
  • Reputation Power: 232
  • f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!f423 is awe-inspiring!
em: Julho 15, 2018, 07:56:03 pm
Os franceses impuseram-se aos croatas por 4-2. Foi um jogo digno de uma final, com seis golos, intervenção do VAR, grandes golos e... golos muito caricatos.

A França é campeão do Mundo. 20 anos depois do primeiro título conquistado em casa e dois anos após perder a final do Euro 2016, os franceses impuseram-se aos croatas no Estádio Luzhniki em Moscovo, vencendo por 4-2. Foi um jogo digno de uma final, com seis golos, intervenção do VAR, grandes golos e... golos muito caricatos. Apesar da derrota, a Croácia sobe um degrau e alcança a melhor qualificação de sempre de um Mundial, depois do 3.º lugar, precisamente há 20 anos, quando perderam nas meias-finais com a França. A vingança fica adiada para uma outra altura.

Ainda com Éder atravessado na garganta, Didier Deschamps (pediu "serenidade, confiança e concentração", na conferência de imprensa) não queria ir para a frente 'à maluca' como fez contra Portugal na final do Euro 2016. Porque Deschamps sabe (se não sabe, pode perguntar a Mourinho) que as finais são para ganhar. Com uma postura diferente da do Euro 2016 que perdeu em casa para Portugal, os gauleses entraram cautelosos, recuados no seu meio-campo, esperando à sua oportunidade para 'rasgar' a defesa da seleção da 'toalha de mesa da avó'.

A Croácia, que podia vingar a derrota sofrida há 20 anos (dois golos do lateral Thuram), nas meias-finais do Mundial 1998 , exatamente frente a França (viria a sagrar-se campeão pela 1.ª vez, vencendo o Brasil por 3-0 na final), não abdicou dos princípios que o trouxeram até ao jogo mais esperado do Mundial. Com uma pressão constante sobre o portador da bola, e explorando quase sempre o corredor esquerdo do ataque, direito da defesa francesa, a seleção axadrezada dos Balcãs tentava impor o seu jogo, perante uns gauleses mais na expetativa. A luta pelo meio-campo era renhida, cada bola era disputada como se fosse a última. Ou não fosse esta uma final de um Mundial.

O melhor lance aconteceu aos 12 minutos quando uma bola longa de Rakitic encontrou as botas de Perisic. A difícil situação requeria um desvio de primeira mas o avançado do Inter de Milão tentou dominar e perdeu a bola.
A traição de Mário... no primeiro remate dos gauleses

A postura dos vice-campeões da Europa era lógica, já que é na defesa que a seleção de Didier Deschamps tem feito a diferença. Depois de fazer uma caminhada sem qualquer prolongamento na fase a eliminar, a França entrou o jogo aos croatas, equipa mais cansada. ao contrário dos croatas que chegaram a esta esta final com menos um dia de descanso e com mais 90 minutos de jogo, depois de ter disputado prolongamentos nos três jogos a eliminar. A Croácia ultrapassou dois prolongamentos com desempates por penáltis frente à Dinamarca (1-1 ap e 3-2 gp) e à Rússia (2-2 ap e 4-3 gp) e vitória no prolongamento frente à Inglaterra (2-1).

O minuto 19 vai ser fatítico para os croatas e histórico em Mundiais de futebol. Um livre lateral de Griezmann encontrou a cabeça de Mandzukic na área. O avançado ganhou nas alturas a Varane mas o seu desvio foi na direção errada. Subasic batido, França na frente sem ter feito qualquer remate. Pela primeira vez na história via-se um autogolo numa final de um Mundial de futebol.



 


* .FACEBOOK